Estive Pensando 4

Estive pensando hoje sobre o episódio do nascimento dos gêmeos Esaú e Jacó. Tudo começou com a oração de Isaque tentando resolver o problema da esterilidade de sua esposa. Conforme a narrativa bíblica, “o SENHOR lhe ouviu as orações, e Rebeca, sua mulher, concebeu” (Gênesis 25.21). A segunda oração foi da própria Rebeca, a qual tentava entender o que estava acontecendo com os gêmeos em seu ventre. Segundo o relato dela, os dois bebês estavam “lutando um com outro” (lit. atacando um ao outro). Como homem, eu não posso descrever o sentimento de uma mãe quando percebe o bebê mexendo dentro do seu ventre, muito menos a estranha sensação de perceber que os gêmeos em seu ventre estavam “atacando um ao outro”. A sensação deve ter sido tão horrível que Rebeca não teve outra escolha senão consultar a Deus sobre o que acontecia, pois ela achava que a sua própria vida estava em risco: “Se é assim por que vivo eu?” (Gênesis 25.22). Para a surpresa dela, a resposta de Deus confirmou a estranha sensação; os bebês estavam mesmo atacando um ao outro no seu ventre. Motivo? “Duas nações há no teu ventre, dois povos, nascidos de ti, se dividirão: um povo será mais forte que o outro, e o mais velho servirá ao mais moço” (Gênesis 25.23).

Longe de mim querer lançar dúvida no que a Bíblia está dizendo, mas me pergunto: Até que ponto um bebê ainda no ventre de sua mãe teria essa percepção do futuro que lhe aguarda? Olha, isso não tenho como saber; o que sei é que Deus sabe o futuro reserva para nossos filhos. Quando Isabel, grávida de João Batista, foi visitar Maria, o seu bebê estremeceu em seu ventre ao ouvir a saudação de Maria. Coincidência? Certamente não. Lucas já tinha nos informado que João Batista seria cheio do Espírito Santo já no ventre materno (Lucas 1.15).

Esses exemplos me fazem pensar, então, que Deus começa a executar seus planos para nossos filhos muito antes deles nascerem. Às vezes esses planos são fascinantes, como no caso de Isabel; outras vezes são preocupantes, como no caso de Rebeca. Qualquer que seja o caso, creio que a oração de Rebeca deveria ensinar a nos pais uma importante lição: É responsabilidade nossa pedir a Deus que nos prepare para entender, aceitar e participar dos planos que ele tem para nossos filhos. Pense nisso.

Daniel Santos

.

.

Lembrou-se de alguém enquanto lia? Compartilhe.

Professor, pesquisador e pastor. Amo ouvir, refletir e divulgar boas ideias. Creio, sigo e sirvo o Deus que se revelou nas Escrituras do Antigo e Novo Testamentos.

Opinião, comentário ou crítica.