Esperar adoece o coração

Ninguém gosta de adiar a realização de seus sonhos. Adiar demais aquilo que tanto esperamos faz adoecer o coração, como esse provérbio bem afirma. A primeira pergunta que devemos fazer em resposta à declaração do provérbio é: Quem é o responsável por adiar ou cumprir os desejos do nosso coração? Se a resposta for Deus, poderíamos concluir que Ele é o responsável pelos corações adoecidos de nossa geração?

Se caminharmos nessa direção, esta parece uma conclusão inevitável. Todavia, esta não é a proposta do provérbio. Os dois elementos ora comparados, são o ato de adiar uma esperança e o ato de cumpri-la. Para todos os efeitos, esperança e desejo devem ser considerados como sinônimos nesse texto. O foco da comparação, então, é o resultado que o adiamento causa no coração, contrastado com o cumprimento.
O centro da mensagem é que o ser humano não foi feito para adiar indefinidamente sua esperança; isso lhe é prejudicial, pois arruína seu coração. Sabendo disso, deveríamos pensar duas vezes antes de esperarmos por alguma coisa. Nem todos têm a mesma estrutura e condição emocional de esperar e adiar seus sonhos e, por isso, cometerão tolices. Deus não é responsável por cumprir tudo o que esperamos, pois nosso coração se envolve com inúmeras coisas ao longo da vida. Há muitas pessoas esperando, de Deus ou de homens, coisas que nunca se concretizarão, mesmo após terem sido advertidas de esperarem em vão.

Assim sendo, o alvo desse provérbio é nos encorajar a buscar aquilo que nos proporcione vida. Saber esperar aquilo que se concretizará é considerado “árvore de vida”, uma fonte poderosa de ânimo e consolo, num mundo cheio de decepções.

Aplicação

Escolha bem aquilo que você esperará. Mais importante ainda: escolha bem de quem você esperará.

Lembrou-se de alguém enquanto lia? Compartilhe.
  • 1
    Share

Deixe uma resposta