Lembra-te do teu criador

A recordação mais antiga que guardo ainda hoje em minha mente é de quando eu tinha três anos. Eu estava em pé no banco dianteiro da Kombi de meus pais, a caminho da fazenda no alto de uma serra em Mato Grosso. Na ocasião, meu pai aparentemente tinha recém adquirido a propriedade e levava-nos para uma visita. Ele dirigiu até um ponto e paramos no meio da estrada e, pelo que eu entendi, a ideia era entrar para a esquerda. Para uma criança de três anos, eu não entendia muito bem o motivo para deixar a estrada e entrar para o meio do cerrado, escuro e sem muita indicação de que alguém jamais tivesse trilhado aquele caminho. Após trocar algumas ideias “em códigos” com minha mãe, eu percebi que este era realmente o rumo que iríamos tomar. Agarrei firme no banco do carro, preparando-me para os solavancos, e fomos mato a dentro na escuridão da noite. Foi nesse dia que me lembro de ter pensado, pela primeira vez, na possibilidade de existir alguém (que meus pais chamavam de Deus) guardando nosso caminho.

A advertência que o rei Israelita nos faz nessa passagem (Eclesiastes 12.1) é um aviso para os jovens: os dias maus virão para todos nós. Os dias maus, segundo a Bíblia, são aqueles nos quais absolutamente nada nos trará satisfação e deleite. Só há uma saída: prepararmos de antemão para esses dias, apegando-nos a Deus o mais cedo possível em nossa vida. Apegar-se significa: conhece-lo por meio da Bíblia, servi-lo juntamente com o seu povo e proclamá-lo por toda a terra.

Hoje completo 49 anos e ainda tenho muito prazer em várias coisas. De duas uma: ou os dias maus ainda não chegaram ou as minhas lembranças do meu Deus são bem mais fortes.

 

One Comment

Deixe uma resposta